Lidando com a tristeza em um dia de sol

Tenho hábito de escrever um diário digital a cada ano. Hábito novo, na verdade comecei ano passado. Escrevo sem pensar, contando coisas que saem de dentro. Hoje, sei lá, achei que alguém podia gostar de ler. Então aí vai.

Elenara Elegante imagem do pixabay


Março

02/03/2024

Lidando com a tristeza. Não é fácil e não tem receita. Cada um sabe onde a dor aperta e como enfrentar a ausência do luto. Hoje acordei cansada, me sentindo só, mesmo me sabendo querida por um monte de gente, Não tive coragem de pegar o carro para a estrada conforme tinha me programado na semana. Já me conheço o suficiente para saber a diferença de um simples receio de um não devo fazer. E hoje era não devo. Respeitei.

Mas não mergulhei na tristeza nem na auto piedade que toma tanto de nossa energia. Fiz tudo devagar. Um café de primeira com várias frutas, suco e café com leite. Comi devagar, saboreando. Lavei a louça como sempre faço porque não gosto de acumular sujeiras na pia. Pedalei como todo dia. 40 minutos, no mínimo. Ouvi música porque a cabeça não pedia noticias. Pensei em caminhar no parque. Me senti cansada. Aproveitei para testar uma ideia de cards para um grupo que participo. Criatividade satisfeita, já meio tarde da manhã, senti que era hora de sair. Fiz minha caminhada no verde, pegando sol e vendo gente. Nada forçado, apenas me deixando ser na cidade. Voltei cansada e menos triste. Resolvi adiantar o corte de cabelo, programado para a próxima semana.

Cabelos no chão, não me agradou muito na hora. Mas não desanimei. Ao chegar em casa, já me senti melhor, gostei do resultado. Acho que cabelo já não me serve de proteção como antigamente, sendo algo que era elogiado e muito valorizado por mim.

Almocei bem, ouvi músicas e escrevi algo que estava adiando. Tenho dois livros incríveis me esperando. Um copo dágua ao lado. Uma gelatina sendo consumida e uvas me esperando.

Um dia triste que ainda me encontra saudosa, mas inteira. E não em pedaços.

Tudo é uma questão de escolha quando conseguimos elaborar. E aqui falo como quem já fez muita terapia, foi criada com muito amor e consegue fazer isso sem se machucar. Não quer dizer que seja fácil para todos. O que quero dizer é que há saída, seja conseguida dentro da gente ou por auxílio de fora (amigos e/ou terapeutas). Não desanime nunca. Há sempre um dia a ser vivido enquanto estivermos por aqui. Viva da melhor maneira possível.



Comentários

  1. Faz tempo que te acompanho nas redes! Quem sabe um dia, te explico como e porque isso começou ... Mas, por hora, basta dizer que gosto muito de ler tudo que escreve! Queria te dar um abraço. Se o mundo girar mais um pouco, quem sabe?! Por ora, envio um abraço virtual e agradeço pela partilha! 🙌

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Puxa, obrigada pelo carinho e pelo abraço virtual que, espero, um dia, se torne real. Me procura no instagram (@arqsteinleitao) ou facebook para podermos nos conhecer melhor. Abraços

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

amantes eternos (divagações com a IA)

Dos meus pertences

Das podas necessárias