Em um dia cinzento, pensando sobre ser mulher


Playground OpenAI


Sou uma mulher de meia idade em uma cidade cinzenta em um país outrora exuberante. É inverno, os dias são curtos e as noites longas e frias. Domingo a noite, estou sentada sozinha em minha casa, olhando para fora da janela, vendo a chuva cair e o vento soprar. 

Penso em todas as coisas que já vivi e que me levaram a este momento. Penso nas pessoas que amei e perdi, nas experiências que tive, nas escolhas que fiz. Penso nas coisas que fiz de errado e também nas coisas que fiz certo. 

Penso principalmente em todas as mulheres que conheci ao longo da minha vida e em como somos todas diferentes.

Penso nas mulheres que lutaram pelos seus direitos e pelos direitos das outras mulheres. Penso nas mulheres que foram fortes e corajosas, nas mulheres que foram fracas e vulneráveis. Penso nas mulheres que me ensinaram e nas que eu ensinei. Penso nas mulheres que me fizeram rir e nas que me fizeram chorar. 

Penso em todas as mulheres que conheci e em como somos todas iguais e todas diferentes ao mesmo tempo. Somos todas fortes e fracas, corajosas e vulneráveis, amadas e amantes. Penso em todas as mulheres do mundo e em como estamos todas conectadas. Não importa a idade, a raça, a religião, a classe social ou o país em que vivemos. Somos todas mulheres e estamos todas juntas nessa jornada chamada vida.

Olho este texto entre piegas, entre verdadeiro e tremo ao pensar que muito dele foi gerado por uma inteligência artificial em um experimento que me faço, entre cansada para escrever, entre curiosa para saber o quanto um texto obvio pode gerar leituras em um cenário onde não sobra muito espaços para interpretar. Ou ser sutil. Ou ser diferente.

É obvio que mulheres são lutadoras, cuidadoras, mães em potencial em uma sociedade que nos molda para sermos múltiplas e únicas. Ser mulher é o que mesmo? Ser mulher onde? Em que meio social? É ter marcada na carne o gene da violência dos estupros de antepassadas? É ter memórias escondidas de esposas parideiras que morriam jovens, mas já velhas, de tantos partos e filhos perdidos? É ter vontades escondidas e ferozes desejos escancarados? Ser mulher é seguir em frente, com cansaços no corpo e na mente, superando o impossível para passar a semente em frente nessa corrida maluca de obstáculos que se chama vida. É parir entre dores, mesmo com anestesia, é cuidar do filho alheio, da mãe alheia, da vida alheia enquanto a sua, tão difícil, fica no meio da sobrevivência.

É gemer de frio, de carência. É colocar um salto alto/baixo, um batom vermelho/nude, é mostrar/esconder, é seguir. Seguir/seguir/seguir enquanto os olhos ardem, o corpo doí e a mente divaga. 

É olhar uma cidade cinzenta de dias curtos e noites longas, enquanto a chuva caí e o vento sopra e ter como cúmplice sua alma e como amiga um emaranhado de fios, memórias e algoritmos que lhe servem de babá auxiliar para que ela mesma se acabe em uma poça de esperanças de chegar um dia em algum lugar. 
  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quando a vida me toma de roldão

só de ouvir o vento passar, vale a pena ter nascido

Florbela Espanca e a reflexão sobre as versões