Ouça a postagem

Meu pacto com a Lua

Foto de Elenara Stein Leitão




Já não sangro

Meu pacto com a lua

virou rumos desertos

meu ventre virgem

não partente

sangrava em uivos

nos tempos do cio

Hoje já não sangro

                  mas sim

sangra em mim o tempo

do filho que não nasceu


No tempo que o sangue fluía

Sentia vibrantes rios

Vermelhos

Hoje já não sangro

rios aparentes

Sangro vozes cobertas

Sangro desejos inconfessos

Sangro solidões

Lua pactua casa materna

águas que não vivem mais


Hoje sangro sim

Mulher sangra sempre

que a força uterina

não morre jamais 

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quando a vida me toma de roldão

Quando o palco desilumina

doar sorrisos não tem preço