Ouça a postagem

CRÔNICA DE UM AMOR AUSENTE


POA/ 31 de maio de 2020. Tarde chuvosa e sonolenta.


Se do meu corpo teima sair saudade

Que há de fazer o coração ?

A carne treme, sente, chama

Não há espaços para dúvidas nem incertezas

O lugar é.

Existe em sua plenitude/toma conta

Imenso se agiganta e se alicerça

Em tudo é pleno.

Ausência sentida como um soco

Vida arrancada do peito.


Morte é a ausência de.

Mesmo que vivo

Alcance é impossível. 

Será?


Escolha é factível, 

Independe da vontade.

Existência emerge soberana

Tempo talvez seja sábio.

Que importa?


Importa o agora, o chamado mudo.

Importa a falta/ o ar que se torna denso

Importa sim a sozinhez de quem se sentia com.


Treme/ sente/ quente.

Amor que se faz ausente.

Amor que se faz carente.

Amor que tanto se sente.


POA, 01 de junho de 2020 

Manhã fria, após uma prova de online de Tópicos especiais de Filosofia da Educação.


Pouco importa a razão.

Pouco importa a solidão.

Pouco importa os motivos da separação.

A energia se impõe.

Emerge soberana e gaiata.

Exige satisfação.

Imediata.

Não quer saber de educação.

Não se importa com senões.

Não está nem aí para associações.

A energia quer ebulições.

Quer se transformar em vulcões,

Em muitas erupções.

Simultâneas. 

Enormes.

Majestosas.

Energia quer a gargalhada mais pura.

Mais obscena e sagra.

Aquela que se gera em dois corações

Duas concepções

Duas imensas atrações.

A energia quer fusões.

Que se fodam as limitações.


POA, 02 de junho de 2020. Frio...

Por dentro e por fora. Depois de falar contigo.


Ouvir tua voz...

Sentir tua presença quase real...

Como conter a paixão?

A vontade de correr

Chamar...


Aprender a amar de outra forma

Fazer amor por silêncios

Dizer nas entrelinhas tudo o que explode

O amor assim contido não virá mais intenso?


Sentir junto mesmo distante.

Amar constante.

Ternura que se divide na mesma saudade

Irreal.

Te amo

Ninguém poderá nunca negar em mim este sentimento que não termina, não apaga, não fenece.

Não importam as convenções, as leis, 

as determinações de fora.

Não importam as razões de A, B, ou C.

Ninguém arranca o que, plantado, se firmou.

A flor florida, a fruta que se faz madura.

O amor que é.

E sendo, permanece.


POA, 06/06/2020. 

Chove lá fora. Recebi no meio da tarde e acho que tem tudo a ver...


My Way (Meu Jeito)

Autor Desconhecido

(Música cantada por vários intérpretes, sobretudo Sinatra)


E agora o final está próximo,

E então, me preparo para o fim do meu caminho.

Meu amigo, vou ser mais claro,

Vou expor meu exemplo,

Do qual estou seguro:

Eu vivi uma vida na sua totalidade.

Eu viajei por toda e qualquer estrada,

E mais, muito mais que isso;

Eu o fiz do meu jeito.


Do meu jeito foi puro, tão intenso, tão verdadeiro.

Meu jeito tinha tudo do teu.

Mesma vontade gaiata de ser feliz,

de se entregar meio bicho, meio gente,

molenguinha como chuva que se encosta e penetra.

Vontade minha e tua de sentir

Entregar paixão.

Amor que se faz de toque, de carne,

Muita precisão.

Amor que é sangue, corrente, catarata.

Pura explosão.


Amor que se faz de olhar,

Verdade trocada e sentida

Cúmplice e companheiro.


Amor pura gratidão

Pura exaltação meia moleca

de vibrar, sorrir e ser muito feliz.


Do meu jeito, que é igual ao teu.


POA, 07/06/2020. 

Acordei com uma puta saudade...


"Sentir saudade é sentir ausência: a gente sente saudade porque a coisa amada está ausente... A saudade faz bem ao amor, pois que é justamente na dor da separação que o coração faz a operação mágica de re-encantar os amantes que o cotidiano só faz banalizar. É preciso que haja saudade para que o amor cresça... Saudade é um buraco dolorido na alma. A presença de uma ausência. A gente sabe que alguma coisa está faltando. Um pedaço nos foi arrancado. Tudo fica ruim. A saudade fica uma aura que nos rodeia. Por onde quer que a gente vá, ela vai também.

Tudo nos faz lembrar a pessoa querida. Tudo o que é bonito fica triste, pois o bonito sem a pessoa amada, é sempre triste.

Aí, então, a gente aprende o que significa amar: esse desejo pelo reencontro que trará a alegria de volta. A fome é a saudade do corpo; a saudade é a fome da alma. Saudade é fome! Enquanto existir a fome, tudo estará gostoso; enquanto existir a saudade, o amor será gostoso".

(Rubem Alves)

Saudade é fome... Nunca tinha pensado assim, mas gostei da ideia. Fome de estar com e saborear a vida. Brindar à eterna alegria de viver e gostar. Alegria de amar...


POA, 08/06/2020

Um chamado, Um toque, uma maneira de sentir tão semelhante. Uma vontade de fusão. Pode o corpo dizer tudo o que sente a alma que vai por dentro? Não importa. Mesmo que não seja perfeito, pois coexiste no ar um sentimento de culpa, uma companhia a mais, a entrega é muito gostosa. E onde há explosão, há vida. E vida sempre é soberana. Vida sempre emerge potente. Vida É no momento absoluta. Mesmo que se saiba que a razão meterá o seu dedinho azedo e sem sentido, mas que, no entanto faz. Mesmo assim ainda é bom. Mesmo o bom contigo ainda é maravilhoso.

POA, 29 de agosto de 2000

Frio... Frio lá fora...Frio que corta no peito. O pior do amor sempre será não se saber o que acontece com quem se ama.

Não sei o que fazer. Sei o que sinto. Uma lacuna, um aperto, um chamado imenso no peito. Saber de ti. Ouvir a tua voz. Sentir o que te acontece.

Pode se ser feliz sem que o mundo esteja em paz? Pode-se amar com plenitude se este amor fere outro alguém? Pode-se ser inteiro se outros vão ficar pela metade?

Qual o direito do amor? Até onde o seu poder?

A única certeza é que o meu ser te chama. Mesmo assim.


POA, 04 de setembro de 2020


Acho que fiz uma das maiores besteiras de minha vida hoje. Eu e a minha mania de ser boazinha...

Mas tem um lado meio Poliana que mora em mim que acredita em valores antigos e daí, acontece dessas coisas de querer sentir paz...

Se é possível sentir paz longe de ti...Será que eu tinha toda esta força para tomar esta atitude tão radical ? Este amor é tudo o que sempre procurei na vida e não sei se deveria abrir mão dele assim. Só espero que tu possas ficar em paz.


POA, 06 de setembro de 2020

Da Lya Luft (Histórias do tempo)


Isolabella


Quero levar-te àquela ilha

onde serás amado, onde serás aceito

do jeito

que és.


Onde podes tirar a máscara

e deixar esplender

teu rosto.

Onde minha ternura

não se espantará

com o teu grão de loucura;

onde minha paixão não diminuirá

com tua parcela de medos;

onde podes ser o que és,

naturalmente

e mesmo assim

farei de ti

um rei.

Onde o amor, que trará os seus mistérios, a sua ausência, que lições - tantas há de me dar.

Que trará o Amor ?

O Amor trará a paz

A paz virá em forma de tranqüila harmonia com o mundo e com a aceitação de que o melhor para cada um de nós virá de qualquer forma.

O Amor trará a felicidade

A felicidade virá da realização dos desejos e da aceitação do que não pode ser feito.

O Amor trará a sabedoria

A sabedoria virá em reconhecer a felicidade quando ela acontece.

O Amor trará a cura

A cura virá do perdão de todas as faltas pelas quais me acho culpada

O Amor trará a redenção

A redenção virá da comunhão com o mundo e com os céus

O Amor trará o prazer

O prazer de viver e ser amada

O Amor trará a alegria

A alegria de compartilhar com êxtase e encantamento todas as lições aprendidas na vida e doar a alma ao mundo.


POA, 01 De outubro De 2020


Começar a repensar a vida sozinha é esquisito, depois de se saber com. Aprender a com-viver, sempre se surpreendendo porque a companhia vinha, sempre o mistério de compartilhar...Saber-se só, embora com. Acho que este o maior desafio. Aprender a caminhar sem a perspectiva de vir a ter, embora tenha. Reaprender a andar, como criança que tateia e descobre, entre assustada e comovida, que o mundo é vasto, muito maior que podem (naquele momento) as suas pernas ou mãos. Mas que antevê a possibilidade de vir a acontecer o momento de abrir a porta e correr.

Tua presença, imensa, repercute em cada momento em que me redescubro. Teu amor se torna enfim mais intenso e tudo parece readquirir a sua verdade e a sua forma de ser. É como se a tua força repousasse enfim com a minha, e como se agora fossemos enfim um com o outro. Embora sós, estamos juntos como nunca. E esta é a força do amor. É esta a nossa força, nossa riqueza, nossa sina. Sermos um e dois.


POA, 03 de outubro de 2020


"... Não há falta na ausência.

A ausência é um estar em mim.

E sinto-a, branca, tão pegada,

aconchegada nos meus braços, que rio

e danço e invento exclamações alegres,

porque a ausência assimilada,

ninguém a rouba mais de mim."


Carlos Drummond de Andrade


Saudade é um pouco como fome

Só passa quando se come a presença

Mas às vezes a saudade é tão profunda

que a presença é pouco:

quer-se absorver a outra pessoa toda.

Essa vontade de ser um o outro

para uma unificação inteira

é um dos sentimentos mais urgentes

que se tem na vida.

(Clarice Lispector)

Terça-feira, 4 de outubro de 2020

Sinto a tua falta como se fosse uma falta de mim, como se estivesse meia oca por dentro e me faltasse o teu peso para que eu voltasse a me sentir eu mesma. É como se perdesse a essência e nada mais importasse senão: te ver, te ter, te tocar, sentir o teu abraço e o teu corpo me dizendo da maneira mais palpável que eu sou tua e que nós dois somos um em nossa paixão.

Se existe, se existiu algo semelhante, não importa. Deve ser assim para todos os que encontram essa mistura de pele e alma, e de tão felizes ficam meio anjos, meio demônios, fulgurantes quando juntos, ousados porque amantes, imensos porque amados.

Poa. 5 de outubro de 2020



Abro portas, respiro.

O mundo gira.  

Amanheço e reconheço: 

Game over.

 


Comentários