Ouça a postagem

tempo de incerteza

Um dia acordei com vinte
No outro três vezes mais
Ontem era verdade cristalina
Amanhã incerteza total
Hoje pura perplexidade.

Ouço Nelson freire ao piano. Liszt. Optei por poucas notícias para depurar a mente. Nesses tempos encharcados de então, as versões são muito rápidas e cheias de convicções forjadas em sabe-se lá que interesses. Até a ciência segue o famoso quem patrocina. E os comuns leigos ficam reféns de suas bolhas, olhando para o relógio que teima em andar numa acelerada debandada.

Para terem uma ideia, deletei abril. Não por escolha como tantas vezes já fiz com o Natal quando estava muito atarefada. Pronto, passava o Natal para janeiro e acabava com problema. Ou postergava.

Quando (e se) acabar essa bagaça vírus, nem mesmo eu sei como estará o mundo e minhas certezas. Tudo bem, meus valores só se solidificam com as emergências. Nasci para elas. Mas mesmo com tanta reflexão, há que se dar um tempo para viver. Apenas se deixar ser.

Já soube de toques poéticos. Pessoas se conhecendo por aplicativos e marcando encontros em parques, com uma distância de dois metros entre si para conversar e namorar. 

Tempo, tempo, tempo. Em um mundo acelerado temos uma parada. Era isso que muitos pediam? Pára o mundo que eu quero descer. O mundo parou e a gente surtou. Ou quase.

Desacostumar com a corrida não é moleza. Não é só o abraço ou a transa de primeiro encontro, é a perdida oportunidade de se olhar por dentro e enxergar a si. E olhar o outro. Com calma. Elaborar as paixões, os desafetos, administrar as bolhas de ideias e vontades.

O mundo parou e volta a andar. Em outro ritmo. Em outras esferas. Com as mesmas paranoias até onde vejo.

Os sobreviventes irão se reorganizar e elaborar novas certezas. Não seremos um paraíso como os utópicos, eu incluída, gostaríamos. Na História e nos filmes de verdade, a gente acaba solitário. Ou morto. Tem sorte quando vira mártir. 

Os que sobram são os fortes, os que sabem se virar, os que adaptam.

Lá vou eu com Grieg e meus medos para respirar mais fundo e tentar entender um pouco mais esses tempos mascarados de incertezas.

Comentários