Poetas suicidas - exercício de inspiração em poemas

Uma tarde entre poetas, sabendo de outras poetas, duas mulheres incríveis que escolheram sair da vida na hora que quiseram. 

Suicidas. Tema espinhoso. Sendo a vida tão fantástica e vendo mulheres tão corajosas para viverem suas verdades, enfrentando mundos e sociedade, fica mais complexo pensar que elas abdicassem dessa mesma vida que tanto viveram em intensidade. 

Quem há de entender os desvios da alma alheia? Quem há de apontar qual o melhor caminho para outros. Uma vez li uma máxima que dizia: posso ver tua ferida, não posso sentir a tua dor. Por mais empatia que tenhamos, ninguém vive a intensidade do sentir do outro. 

Fico pensando nas vidas de Alfonsina Storni e Florbela Espanca, as poetas explanadas. Talvez o sentir tão diferente do comum , as tenha afastado do caminho socialmente mais aceito. Talvez...as respostas só elas tinham. 

Pensar sobre me faz pensar sobre todas as mulheres, sua sina, suas rotas e suas narrativas. Me faz pensar na minha própria história. Para isso servem as reflexões, para buscar mais perguntas. 

Obrigada Cristina Macedo e Berenice Siccas Lamas não apenas pelas informações, leituras preciosas dos poemas, mas principalmente pelo contato com mais mulheres poetas que criam suas narrativas inspiradas nas palavras e histórias que ouviam.

Eu que não sou poeta brinquei de pegar palavras e tentar fazer sentido. Se consegui ou não, não é o mais importante. O que me acrescentou, sim o é.

Inspiração em frases de Florbela Espanca

reencontro

fantasma delirante,
meu morto,
buscante de furiosos,
dementes vendavais.
tomba em mim
saudade pungente,
perdida fé
nas águas calmas




Inspiração em frases de Alfonsina Storni

Coragem

disfarçando temores,
rio.
comicho sensações
nos lençóis terrosos.
estranhas.
a coragem assusta.
fecho a porta,
aguada de musgos,
enluarada de amor.
volto ao mato

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Procurando palavras

Quando a Alma se esvazia

Escolhas são apenas escolhas