Nós mulheres

Das vezes que abriu os olhos
Janelas, sol, gritos
Noites insones
Mentiras ganhando vida
Trabalho
Suava e sentia
Chorava escondida
Como se fizesse diferença
Chorar na frente de alguém
Como se fosse feita de pedra
Não vento e ar
Num suspiro tudo mudava
O cenário abria e fechava
Deixava de ser Maria
Virava Anabela
Outras roupas no mesmo corpo
Sangrava
Lua uterina todo mês
Era sina
Era herança
Era coisa de tantas outras
Joanas, Luizas e Paolas
Umas sem nome
Rotas perdoadas
Em cruzes perdidas
Outras mais felizes
Viraram livro na memória
Barriga crescia
Nova cria
Novo suspiro
Teresas e Helenas
Fios em espera
Cios labaredas
Das vezes que abriu os olhos
Ávida vida a vida
Lambe margens
Entrega voragens
Virago
Desfiladeiro
Moira me habita
Nos habita
Nos mora
Nós moira
Nós mulheres


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Procurando palavras

Quando a Alma se esvazia

Escolhas são apenas escolhas