Generosidade, Gratidão e Gentileza

Novo ano. Já começamos com o velho clichê do livro em branco e as novas oportunidades de reescrever a vida. Já venho me fazendo promessas de cuidar mais de mim para poder cuidar bem dos outros desde 2017, pelo menos. Nem sempre consigo.

Este ano resolvi que vou me cercar de pessoas e coisas que me reabasteçam a alma com boas energias.
"Se tem uma coisa boa na vida é a gente se cercar de pessoas positivas. E pessoas positivas não são aquelas que veem tudo cor de rosa sempre. Absolutamente. Elas se permitem viver e com isso ficam sujeitas às mesmas dores de todo mundo. Mas elas em geral não ficam adubando suas dores para que permaneçam em um jardim de lamentações. Elas choram, se desesperam, mas acham uma saída."
Como acredito firmemente que o Universo ajuda quem se ajuda, bastando estar antenado para as oportunidades que surgem, apostei na proposta de um amigo virtual de longa data, que tive o prazer de conhecer pessoalmente este ano, o Rafael Reinehr e na sua plataforma Cada vez melhor.

Um dos primeiros desafios dela, que iniciou o ano, foi fazer um Diário de Gratidão.


Já tinha tido uma experiência semelhante em 2014, do pote com bons momentos e tive grandes aprendizados com ele, especialmente sobre valorizar os momentos

Essa experiência de agora foi tão interessante. Não apenas por ter um momento para parar e pensar nas coisas boas do dia pelas quais sou grata, mas especialmente por momentos muito significativos alavancados por cada desafio diário (que eram das primeiras coisas que buscava no instagram quando acordava). 

Um deles, poder dizer a um primo distante o quanto sua presença no final do ano foi importante para a união da família e o quanto me fez bem. Algumas vezes a gente esquece de dizer às pessoas o quanto elas significam para a gente. Agora mesmo, na última viagem, tive a oportunidade de rever um amigo do primário que não via há mais de 50 anos. Ele e sua família me trouxeram tanta leveza que foi como um bálsamo em um período particularmente mais complicado que vivo. Acho que ainda não expressei isso para eles, mas vou fazer.

Outra foi poder dizer para uma amiga virtual o quanto suas palavras, ditas em uma mensagem de instagram, foram importantes para que eu refletisse sobre um comportamento destrutivo e pessimista que estava vivendo. Parar de adubar esses sentimentos após esse toque foi fundamental para mim. Pensei em dizer isso para ela, mas fui realmente passar do pensamento à ação, ao ler um dos desafios dos 21 dias. Foi tão incrível para mim e acho que para ela também. Tantas vezes a gente teme dizer uma intuição por medos. Medo de intrometer, medo de ser mal entendido, medo de chegar, medo de opinar. E tantas vezes não se dá conta que podemos ser instrumentos de uma inteligência bonita e generosa que está sendo mobilizada para ajudar outras pessoas com generosidade, gentilezas e gratidão.

Foi em tudo uma prática de conscientização que me mobilizou ações. Fosse refletir sobre aproveitar momentos, fosse abraçar alguém com força, fosse me dar conta que não lembrava ninguém a quem desejasse mal.

Recomendo que façam. Não como uma obrigação. Mas como um ato diário (ou quando lhes aprouver) de crescimento. 

Agradecer os momentos nos impulsiona a querer tê-los mais e melhores. Nos lembra que somos parte do universo e cada ação nossa pode ajudar a nós e ao próximo.

  

Comentários