Ela toda maresia

Tinha gosto de mar. Ela toda maresia.

Era daqueles verões de tempo escaldante, onde a linha do horizonte se confundia entre começo e fim. Como ela que se abria em dores, em rancores, em mal humores.

Nem sempre fora assim. Teve um tempo de descobertas. Passou

Olhou em torno e tudo parecia ter gosto de fermento estragado, desses que não vão fazer crescer o pão por mais que se sove. Dias ruins estes de sentir o peso do mundo.

O corpo doía, a mente sofria. E ela se ria.

Maldito senso de humor! Devia ter nascido mais vitoriana. Menos barroca.

Que fosse, enfim. Urgia engolir aquelas lágrimas que teimavam em rolar. Gosto de sal. Menos mal que curtia salgados. Imagina se chorasse açúcar...

Pensou em abrir a caixinha nova de pilulas que fazem esquecer mazelas. Mas seu lado mais trágico largou o gesto na metade. Que fosse até o fim com tudo o que tinha que sair. Que mergulhasse de vez no oceano que se abria, que afundasse em águas, em sargaços, em conchas e pérolas. Que virasse sereia e voltasse ao útero de onde saem todas as mulheres. Que partisse.


Vestiu sua fantasia de luxo. Nos olhos pura melancolia. Nos lábios um vermelho de corar satanazes. Nos pés a areia que machuca.

Respirou fundo como fazia nos momentos solenes. Deixou que o vento percorresse seu corpo como se fosse aquele amor que demora e traz saudades. Ou como se fosse a vez primeira. Ergueu a cabeça e seus passos a guiaram para o mar. Ela pura maresia.

Que houvesse então um tempo de sangria.

Que expurgasse sal, suor e solidão.

Que irrompesse dela, de dentro dela, cores, cheiros, vontades e desejos. Que fosse.

Ela foi.

O mar gelado que era, acordou sua mente. Sentiu um raio que vibrava e acordava. A areia machucando menos. O abismo acolhendo. Ela desnascendo. 

O mar. Ela. O sol. A maresia.

Os pés machucados da areia corriam mais firmes. As asas cresciam em suas costas como anjos rebeldes que despertam de um sono milenar. Quanto mais ela afundava, mais alto voava.

Viu o escuro das entranhas. Viu o clarão da iluminação. Era duas. Era múltipla. Era toda maresia.

  

E quando as amigas veem poesia na tua prosa e a reescrevem com outra roupagem, me emocionando e revelando uma beleza que nem eu tinha percebido. Obrigada pela obra a quatro mãos, mentes, corações e sensibilidades Eliana Ada em seu blog Coisas de Ada. Leiam também a versão em forma de poesia AQUI

     

Comentários

  1. Elenara meu amor, que espetáculo de cronica poética! Estou arrepiada da cabeça aos pés! Ou dos pés à cabeça? Sei lá... Me achei! Beijos doces e salgados, ou sem sabores!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. E eu me achei na tua versão!!! Como é lindo o compartilhar emoções, só acrescenta! Obrigada!!!

      Excluir
    2. Podes se apoderar! Inclusive da imagem, que é um bordado que fiz com saudade do mar.

      Excluir
    3. Lindo bordado como é linda tua alma, minha querida amiga!

      Excluir

Postar um comentário