Inquietudes

imagem de sonhos casa menina


Eu tinha olhos de girassol que giravam feito espigas em procura de uma luz que achava fora de mim.

Eu tinha sedes de cachoeiras jorrando em desespero de buscas e arrojos nas enseadas da vida.

Eu tinha ouvidos de barbatanas suspirando por músicas inaudíveis.

Eu tinha vontades enluaradas de uivar em noites solitárias, desgarrada do bando.

Eu tinha letargias de dias quentes, desses de mormaça que antecede tempestades.

Eu tinha mordaças.

Eu tinha em mim tanta coisa que era tesouro e resistência dessas de modos a jorrar combustível.

Eu tive fogueiras ardentes de inquietudes

Um dia fluí.


Um mar sobre os pés

um revolta sobre o ar

um misto de medo e sobressalto

um mundo inteiro a descobrir

um mar de portas fechadas a naufragar

um ar de visões oníricas de um porvir


uma imaginação por fazer

uma vida por erigir

uma fome a inquietar

uma glória por alcançar

uma criança a gerar

uma luta por conquistar


adeus vida velha companheira

quem sabe um dia o mistério desvendar


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

amantes eternos (divagações com a IA)

Dos meus pertences

Das podas necessárias