Os passos da guria



A guria segue sua linha torta sem beiras, 

muito menos eiras

Sua memória desgastada 

ressurge em lampejos de sol

Caminhadas sob as árvores

liberdade mesmo que por minutos

As horas mormacentas teimam em correr em desbragada monotonia

As batidas do seu coração giram no ritmo de fórmula um

Seus passos parecem firmes nas folhas amarelas do chão

E são

Ela é firme

Ela é rocha, mesmo que pulverizada por vezes

Sua respiração ofegante mal se nota porque secreta

Suas portas entreabertas revelando uma vontade de superar

Seus medos aflorantes mas reconhecidos

Sem origem revelada, mas já não importa

Sua mente desdobra informações e sensações

com a maestria de uma filosofa matemática

Suas mãos enovelam liames ultrapassados

quase submarinos de tão profundos

Ela toda imensidão

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

amantes eternos (divagações com a IA)

Das podas necessárias

Dos meus pertences