sete ciclos / três encontros




sete gorilas

                  encarnados

sorriem /com vagarosa

compreensão do mundo


sete aves do paraíso

comem do fruto

                 do conhecimento

sem medo do apagão


sete vontade reconhecidas

voejam discretas

                efusivas

atormentadas de solidão


sete desertos compartidos

gritam insanos

no meio da escuridão


sete nuvens viajantes

apontam rumos

               e mudanças

na poderosa força da natureza


Os ciclos se alternam. 

A luz sucede à barbárie. 

Crescemos em poder de afetos. 


Dentro e fora de nós

ressurge e regenera a Vida


ao fundo três musas

dançam sons alucinantes

em leveza languidez

unindo força e ternura

em desbragada

alegria e humor

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

amantes eternos (divagações com a IA)

Das podas necessárias

Dos meus pertences