A chuva que lava a alma

Elenara Elegante

Não é segredo que venho passando aqueles tempos cíclicos que me acometem de tempos em tempos: a mudança. Ainda bem que não fico parada e que tento de alguma forma me ouvir. 

Não, o meu mundo não é sempre florido e cheio de pássaros voejantes. Embora eu seja otimista, consiga olhar situações de forma criativa, é preciso que isso faça sentido dentro de mim.

A vida não é um florir constante. Não existe força de vontade que mude um sentimento de perda, de desconforto, de desapego interno. Processos doem.

Fugir da dor não é humano. A dor existe. É importante porque sinaliza algo que não está funcionando, seja físico, seja mental, seja emocional. Não adianta muito tampar a dor, tomar um barbitúrico, droga, mantra, seja lá o que o for para esconder que doí. 

Dor existe para sinalizar. Maturidade é encarar a dor de frente, na medida das nossas possibilidades. Com ajuda dependendo do tamanho da dor. Encarar quando pudermos. A dor nos ajuda.

Existe uma sutil e grande diferença entre encarar a sua dor e adubar a sua dor.

Adubar é focar na dor e não no problema que a causa.

Encarar é prestar atenção e entender os processos que levam à dor.

Entendidos e assimilados, resta as escolhas do que fazer com eles. Há momentos para enfrentar de peito aberto. Outros de buscar ajuda e muita. Outros ainda de entender, assimilar e se fortalecer antes de enfrentar. Cada um com sua dor e sua situação.

Amigos, abraços, ouvidos atentos, lágrimas, cuidados, tudo ajudam a lavar a alma e a dar aquela pausa necessária para seguir adiante no rumo do verdadeiro sentido da vida: crescer.

Que a chuva lave as dores e nos traga mudanças tão necessárias à jornada de uma vida verdadeira onde a luz brilhe na maior parte do tempo. Pelo menos dentro de cada um de nós.  

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quando a vida me toma de roldão

só de ouvir o vento passar, vale a pena ter nascido

Florbela Espanca e a reflexão sobre as versões