Palavras do ano

elenara elegante
Todo ano escolho alguma palavra chave que representará meus dias. Não é muitas vezes uma escolha pragmática. Como tudo o que realmente importa na minha vida, elas me aparecem e quando as sinto, é como se estivessem a minha procura. E eu a elas. 

A primeira é REENCONTRO. Assim em maiúsculas. Parece normal que depois, ou por outra, no meio de uma pandemia, eu sinta falta de reencontrar pessoas. Só que não. Esse reencontro é mais interno. É me reencontrar com a minha alma, minha anima, o que me move de verdade. 

Tanto passei a doar que esqueci de mim. 

Começo por coisas pequenas. Mimos pessoais. Presentinhos de vida. Presentões de tempo dedicados a mim, um equilíbrio entre amar a e amar in. Me dou conta que não acho palavra que defina esse amor interno, dedicado a redescoberta e respeito próprio. Não é egoísmo, muito menos individualismo. É apenas reconhecer a dignidade de ser e existir.

A outra palavra necessária é DESCONECTAR. Estar mais com e menos internauta. É viver o mundo real como prioridade. É principalmente me reservar/preservar em meus silêncios. 

O silêncio. Necessário e urgente. Conviver com o estar fora da rede. Prescindir de curtidas e informações. Focar no que realmente importa a cada dia.

2022 entra com uma série de incógnitas. Que me encontre pura e inteira. E se quebrada em algum momento, que eu saiba me recompor com sabedoria. Que atribulações me encontrem com forças e energia de abosrve-las sem me dolorir. 

Que eu saiba rir. E brincar. E renovar com poesia meus dias e noites. 

Reencontrada e desconectada.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quando a vida me toma de roldão

Quando o palco desilumina

só de ouvir o vento passar, vale a pena ter nascido