Ouça a postagem

É preciso que alguém se importe

 

Enquanto tu caminhas pelas ruas. Te pergunto:
E a entranha?
De ti mesma, de um poder que te foi dado
Alguma coisa mais clara se fez? Ou porque tudo se perdeu
É que procuras nas vitrines curvas, tu mesma,
Possuída de sonho, tu mesma infinita, maga,
Tua aventura de ser, tão esquecida?
Por que não tentas esse poço de dentro
O incomensurável, um passeio veemente pela vida?

Importa que estejamos atentos
                                        -todos
Lobos famintos rodeiam a matilha
Ovelhas desgarradas correm sem meta
Pastores, cajados e luas guiam sem bastião
                                                    -Ventanias

Importa que pensemos em todos
em ninguém
em nada
em tudo
Todos na roda da divina indiferença 
                                    -acordando

Importa que mandemos vir
Forças, heroínas e poesia
Hordas de anjos lúcidos e loucos
Nossos corpos em júbilos 
rodopiando verdades

Importa que pensemos no custo
Mais que ouro,
             -vidas
Mortes em vão
Caídas e lívidas
Suplicantes de momentos 
De êxtases e verdades 

É preciso que alguém se importe
Para ir atrás de nós
Para resgatar a memória
Para rasgar a falsidade
Simulacros de rotas
Narrativas de uma história malsã

É preciso mergulhar nas entranhas

 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quando a vida me toma de roldão

Quando o palco desilumina

Escolhas são apenas escolhas