Ouça a postagem

Eu e meus breus

Nasci perplexidade

Cresci curiosidade,

busca de sentido

dos meus breus

conheço o abismo

dos picos a luz me guia

sobrevivo generosa

Bethaniamente sentimento

aflorante/perseguinte/emergente


Elenara Stein Leitão


Nasci em um abril de um ano da década de cinquenta. Em um quarto de hospital de uma cidade do interior do meu estado. A parteira, meio doula, me amparou junto à minha mãe e meu pai, em um ambiente meio breu, com música. Assim emergi ao mundo.

Os breus vieram junto de herança. Carências ancestrais que trago coladas nas células e memórias de gente que não conheci. Fruto de mulheres que sofreram e amaram, perfumes de vidas que se fizeram entre dores e amores. Clichês e sonhos. Breus.

Cresci entre medos internos e impulsos de saídas. Luz e escuro. Sol e lua me contornam desde sempre. Meus grandes olhos pretos curiosos, observantes. Meus brinquedos, os teatros de enredos criados na minha cabeça. Meus silêncios, o enigma de quem me via e não me reconhecia. Nem eu o fazia.

Amadureci entre sorrisos e lágrimas. O aprendizado mais complicado: amar. Amar sem troca. Amar sem retribuição. Amar por amar. Amar doação.

Companheira de vida: a sensibilidade. Extrema. Represada. Vislumbrada nos olhos grandes, escuros, brilhantes.

Descobertas muitas. Vidas internas explosivas. Das maiores, deixar de centrar no meu umbigo. Deixar sectarismos e certezas absolutas também, assumindo a empatia que me marca. Empatia observadora, que fique claro.

Meus breus caminham comigo. Me apontam caminhos que já não servem. As trevas me auxiliam a evitar córregos intransponíveis. Aprendizado que os momentos de vida me calaram.

Muros há que transpor. Mas só os que fizerem sentido ao coração. 

Eu e meus breus convivemos enfim, na tênue linha que une luz e mistério.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quando a vida me toma de roldão

Quando o palco desilumina

Escolhas são apenas escolhas