Ouça a postagem

Caminhos de Salvador - Jorge Amado me guie!

Caminhos de Salvador - Bahia

Moças, a igreja da Conceição da Praia fica a duas quadras daqui. Mas recomendo que não vão até lá. É zona do baixo meretrício...sorriu ao lembrar o aviso do policial militar naquela manhã. Ele mal podia imaginar que duas estudantes de arquitetura, vindas do distante estado do Rio Grande do Sul, pouco iam se incomodar com aquele detalhe. Queriam mais é conhecer as igrejas da cidade, quantas mesmo? Coisa de uma para cada dia do ano, tinha dito o guia. Imaginaram que, no máximo, podiam encontrar com Vadinho, saindo de alguma vadiagem diurna enquanto sua Flor ficava na cozinha, ensinando a arte de bem comer. Disso sabia ele com mais maestria. Era começo da década de 80. Mais uma vez voltava àquela cidade mágica. Sentada no meio fio, comia um acarajé, se lambuzando de pimenta (Moça, pimenta para turista ou local? Local, por obvio). Sua mente voltou no tempo.

Enquanto o ônibus corria pela BR em direção à uma Salvador ainda desconhecida, a caloura da faculdade de arquitetura misturava duas imagens em sua cabeça. Era um dia normal de aula, no minhocão da UnB em Brasília, aquele prédio comprido e serpenteante que abrigava as aulas. Projeto de Oscar Niemeyer naquela universidade que foi pensada para ser um exemplo de excelência e cujos professores foram expurgados em 1968. Sete anos depois, 1975, uma jovem sulista olha um cartaz, grudado nas paredes de tijolo. Operação Mauá em Salvador. A OPEMA era um programa do governo militar para que estudantes universitários do ciclo básico pudessem se integrar às problemáticas dos transportes nacionais. Na prática, uma viagem visita (leia-se turística) para a capital baiana, só com mulheres na linha moralista da época. Salvador lembrava aquela novela que tinha recém visto na TV. Há pouco a cor se tornara visível nas telinhas, embora ainda fosse um luxo para alguns. Era um romance de Jorge Amado, Gabriela da cor do cravo, do gosto da canela. Uma atriz nova que surgia. Paranaense, mas esses são detalhes em um país que se vendia diverso. Bastava um bom bronzeado e surgia a alegre menina que “Só desejava campina, colher as flores do mato / Só desejava um espelho de vidro prá se mirar / Só desejava do sol calor para bem viver / Só desejava o luar de prata prá repousar / Só desejava o amor dos homens prá bem amar !”. Na sua memória, o sotaque arrastado, o romance que a marcara nem era da Bié do seu Nacib, moço bonito. Ela se identificava com a mocinha Jerusa, neta certinha do coronel que mandava na cidade. Embora uma pontinha dela, ainda muito insipiente, se encantara mesmo era com Malvina, aquela que percebia que homem covarde não se espera e se agradece o livramento.

Enquanto tocava Tony Tornado em uma rádio na beira da estrada, “E a gente corre (a gente corre) Na BR-3 (na BR-3) - E a gente morre (e a gente morre) - Na BR-3 (na BR-3)”, via uma pracinha de cidade pequena, tão parecida com a cidade cinematográfica da novela. Cores fortes, gente que vai caminhando mansamente em um dia claro. Baianas com seus tabuleiros, fazendo reverências aos velhos coronéis do sertão. Cheiros das essências se misturavam no ar. Ao longe um som de berimbau mostravam uma turma lutando capoeira.

A Salvador de 75 era muito parecida com a imagem da Ilhéus que tinha em sua cabeça. Não pelo tamanho, que obviamente, era muito diferente. Mas na diferença social gritante. Sentiu isso ao entrar nos Alagados, uma favela sobre palafitas que era algo que nunca tinha vivenciado, nem imaginara existir. Se os militares imaginavam que, mostrando um Brasil real, iam acabar com os delírios de esquerda de uma juventude que seria o seu futuro, deviam ter pouquíssima imaginação. Na sequência, uma visita com palestra ufanista na base naval de Aratu, com as praias mais lindas que já tinha visto. Poucas pessoas na verdade tinham tido o privilégio de passear por ali: militares e presidentes. “Não sejam como os baianos que nada fazem...dizia o cara fardado lá na frente, ao que retrucava o estudante que era nosso anfitrião: “Fazer por quê? Paulista trabalha para quê? Para tirar férias na Bahiiiiiiaaaa (o sotaque comprido tornava tudo mais encantador). A gente já mora aqui...” enquanto piscava o olho em um flerte gostoso e livre como uma brincadeira.

Mas foi ao passear pelo Pelourinho, com suas ladeiras e casas quase em ruínas que sentiu a baianidade tão intensa que lhe fisgou para sempre. As baianas cobravam para posar junto, por certo. O turista japonês arregalou os olhos ao ouvir o guia descrever o tanto de ouro que havia na igreja de São Francisco. A voz de Gal Costa, a mesma que cantava a modinha de Gabriela e que tinha visto em Brasília, no primeiro show em que fora sozinha, gritava em seus ouvidos: “Tenho pensado tanto na vida /Volta bandida mata essa dor /Volta pra casa, fica comigo/ Eu te perdoo com raiva e amor “

Salvador misturou as entradas e saídas de uma trajetória estudantil. Só foi voltar muito mais tarde, já formada. Apresentando trabalho do mestrado, redescobriu outra Salvador. Os velhos casarões meio em ruínas do Pelourinho, agora já restaurados. Muita gente, diziam, tinha sido afastada. O local era um imenso canteiro turístico. Já tinha sido avisada da insegurança da cidade. Mas no Pelourinho pode andar tranquila, diziam com orgulho. Podia mesmo. Era altamente policiado naquele início do século XXI. Podia andar pelas ruas com máquinas fotográficas, entrar na fundação de Jorge Amado, comer nos restaurantes. Comer, na verdade, era um exercício complicado. Muitas crianças de olhar faminto ficavam pedindo as sobras. Não dava para não sentir como uma facada no peito aqueles pequenos capitães de areia já sem dignidade, ansiando por uma esmola, um resto daqueles pratos cheios que alimentavam a curiosidade gastronômica de turistas.

Nas ruas de Salvador
nunca dormiram crianças
cobertas de esperança
descobertas pelo medo
dormem adultos franzinos
dormem corpos de meninos
que envelheceram cedo
dormem num corpo de homem
tendo a fome por brinquedo
Pedro Bala não tem nome
como tantos outros Pedros.”

Lembrou da cena final da novela de 1975. Pessoas que passam e se cumprimentam, com respeito. Um homem jovem de branco. Chapéu panamá. Duas baianas se ajoelham e beijam sua mão. Aquela cena final marcava um Brasil que, apesar das mudanças sociais e culturais que se anunciavam no romance e na novela, ainda perpetuava velhas relações de poder.

A ginga eterna da cidade se modificando com o passar do tempo. Novos coronéis ocupando o poder. O povo ainda aos seus pés naquela mudança de faz de conta que mantém tudo sempre igual....Eu nasci assim, eu cresci assim, E sou mesmo assim, vou ser sempre assim: Gabriela, sempre Gabriela! ..

A última vez que percorreu os caminhos de Salvador foi em forma de avatar. Um Pelourinho digital em um mundo paralelo.


Letras das Músicas: Jorge Amado Letra e Música

Pod cast sobre Jorge Amado

(estudos de escrita criativa - os mundos de dentro - mês de junho - escritor estudado Jorge Amado - Professora : Patrícia Tenório, doutora pela PUC/RS)


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Quando a vida me toma de roldão

Quando o palco desilumina

doar sorrisos não tem preço