Os descartáveis da pandemia

elenara elegante


Desculpem a falta de ânimo
Desculpem a falta de abraços
Os dias eram assim
As mortes se sucediam
Muitos riam
Andavam impunes
Como se
Nada lhes tocasse
Talvez fosse fuga
Que viesse logo
Que o descarte
O pouco caso
Os e daí da vida
Tornavam tudo sem sentido
São dois pra lá
Nós pra cá
Equilibristas entre notinhas de repúdio
E a vida real dos que teimam em sobreviver
Numa esperança fugidia
De um amanhã
Cada dia mais longe de nós
Os descartáveis

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

amantes eternos (divagações com a IA)

Dos meus pertences

Das podas necessárias