Apenas uma mulher esmaecida pelo tempo

chove. 

Eu que sou movida à energia solar, me sinto menos apta em dias chuvosos. Tudo me parece mais difícil, embora não seja.
Tudo na verdade é como a gente constrói dentro da gente. A vida é feita de atos. A vida premia quem age.

Como saber o certo? 

Não existe um meio. O certo é o que parece certo no momento. O que importa de verdade sempre será a ação, não o receio.

O que faço em dias de chuva, além de obedecer aos mistérios e aos deverias? Dou ouvido aos desígnios.

às vezes eles me vem como insights. às vezes como sussurros. outras como ainda como percepções. o meio não importa, o fundamental é que eu ouça. e entenda.

Hoje ele se manifesta assim...  


e também o encantamento de ver caminhar ao meu encontro um espécime tão raro quanto um hipocampo, um centauro, talvez?...vejo apenas a sua crina e o alto do seu corpo...Não, eis as duas pernas, então não é um centauro, é um homem suficientemente louco de amor para tomar uma pescadora das ilhas Faroe com o gorro de lã molhado, impermeável sujo de lama e perneiras a tiracolo por uma Vênus saindo das águas. (Benoîte Groult - Um toque na estrela)

Não é um centauro. Não sou Vênus. Muito menos uma ninfa. Sou apenas uma mulher já esmaecida pelo tempo, com alma da menina que teima em sonhar e querer viver tudo o que não viveu.

Uma frase enigmática. Uma charada vagabunda que teima em surgir de repente e não dar pistas concretas do rumo a seguir. Uma amostra que o rumo se faz ao caminhar e as respostas não importam tanto como a jornada.

Olho o tempo lá fora. Gris. A chuva cai. Eu permaneço. Eu não me esvaneço. Eu.

Meu corpo vive. Meu sonho vive. Minhas as escolhas. Comigo as consequências. Para sempre as imanências. 

Das rugas sobram memórias. Das mágoas vibram carências. Dos odores colorem vivências. Sou apenas uma mulher que esmaece pelo tempo. Como eu, milhares pelo mundo, sem memórias, sem histórias, sem centauros, nem quimeras. 

Quase uma Vênus emergindo para que alguém suficientemente louco recolha das espumas e permita-se. 



Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Procurando palavras

Farol me guia

Qual a minha IPSEIDADE?