terça-feira, 13 de junho de 2017

Patética

Aquele dia/semana/tempo que não acaba em que tudo fica cinza. Não é depressão não. É um quê de inadequação, de desligar de si mesma.

Patética.

Quem nunca?
Nada dá certo. Pior que isso, não dá vontade nem de tentar. Muito patético.

Qualquer migalha vira montanha. E nem TPM a gente tem mais para servir de desculpa. A criatividade míngua. A fome aumenta. (Parece que são interligados - estômago e mente se unem e desunem em total sintonia esquisita que aumentam e diminuem de acordo com a circunstância.)

Uma vez eu imaginava que havia em mim um botão de liga e desliga. Era antes de existir essa coisa de bipolar. Era coisa de adolescente.

Mas vamos convir que já deixei o aborrecido período teen há várias décadas atrás. 

O me sentir tão patética de hoje tem mais a ver com uma desesperança de agir. De sentir que o meu pensar e sentir se tornou tão absoleto. Que o que saí de mim é irrelevante. 

Eu me perdi de mim.

Obvio. Não sou burra e já me conheço de longa data. Já fiz terapias de autoconhecimento, gestalts, biodanças, li livros de auto ajuda. Fiz grupo, individual. Sei todas as receitas que possam me dar. E que agradeço pelo carinho.

Mas eu me perdi de mim.

E quando me perco, não há braço que sirva para me tirar do redemoinho. Eu fico no meu "patético período de desligamento". Minha energia se esvai feito espuminha no ralo. E eu fico expectadora. 

Cheia de expectativas.

Não sei se são ovo ou galinha. As expectativas atrasam a vida de gente. E nesses períodos de patética sensação, elas assomam de uma maneira atroz. 

Talvez seja tudo uma questão de auto estima e a minha esteja baixa. Na verdade a necessidade de respaldo externo para contrapor à insegurança interna.

As respostas estão na ponta da língua. Engolir e digerir talvez façam o botão ligar a luz interna. Vá lá se saber.

(junho - mês complicado e sem inspiração. Escrevendo a base de boleros para ver se alguma parte de mim reage, nem que seja por sentimentalismo barato e essa apatia medonha vá embora)

Nenhum comentário:

Postar um comentário