domingo, 5 de março de 2017

Cuidar de mim para poder cuidar dos outros

Desde pequena meus testes de aspirações sempre apontavam uma alma generosa. Com os outros.

Quer me ver mover mundos e fundos? Sentir que alguém precisa de minha ajuda. Deixo timidezes e medos internos e faço coisas que não faria por mim.

Errado.

Não, ajudar os outros é bom e me faz bem. Não preciso deixar de ser generosa com o mundo. Ele bem que está precisando disso e acho que pode ser minha contribuição de formiguinha.

Mas até quando testezinho bobo de rede social te aponta um caminho, é porque a vida está mandando sinais...


E o errado é que eu estava me esquecendo de mim. E com isso a minha generosidade ia pelo ralo. Estava me tornando intragável, mal humorada, sem folego e sem energia.

Ponto UM: e eu sempre repeti como mantra: pessoas felizes são mais generosas com a vida.

E se eu sempre soube disso tanto que alardeava para todos, e praticava comigo, o de procurar pelo menos um momento de felicidade por dia, onde foi que me perdi???

Na roda viva do mundo. Nas agruras das doenças e naquelas coisas que nem nascendo em lar mais privilegiado ficamos imunes. E sem tempo para respirar fui colocando sempre o outro na frente e eu para lá. 

Eu cada vez mais para lá. Descendo a ladeira.

Deixei de me cuidar fisicamente. Deixei de traçar metas. Me deixei.

ERRADO!!!!!

Meta número um sempre: minha saúde e bem estar. Sem eles não vou conseguir ajudar ninguém.

E veja bem, estar na meta primeira da vida não significa egoísmo infantil nem que vou largar tudo e SÓ seguir minhas vontades. Deixei de ser criança há muito tempo e aborrescente também. Pessoas adultas tem escolhas e tem responsabilidades. E dentre as minhas não se encontra largar tudo para o alto e flanar feliz, leve e solta pelo mundo.

Minhas escolhas e minha felicidade incluem trocas e tudo o que de trabalho elas implicam. E isso que faz a parte boa também. Aparar as arestas. Se conhecer e conhecer o outro. Os outros. Sentir amor. Sentir mágoa. Falar. Elaborar. Não deixar passar. Não deletar por medo de enfrentar.

Então no meu 2017 (ano dos sessenta) entro mais firme no projeto Idosa Gostosa. E nem no sentido de ficar sarada, mas no de ser uma pessoa mais legal. Inclusive comigo.


Nenhum comentário:

Postar um comentário