terça-feira, 14 de fevereiro de 2017

Cura para um coração partido

Ano passado me dei de presente um livro chamado "Uma pergunta por dia". 365 perguntas - 5 anos - 1825 respostas. Parece coisa de adolescente. E é. 

Para a adolescente que teima em morar em mim, em ti, em nós. Sei de gente que guardou para iniciar no ano novo, zerando o velho. Eu não. Boa ariana e noa neta de minha Vó Belmira, que só conheci de fama, comecei assim que comprei.

Já respondi sobre tudo e várias perguntas me fizeram pensar. O que é o mote de qualquer livro, inclusive os diários. Mas a pergunta de amanhã me pegou mais: 
Escreva a cura para um coração partido   

Vocês se deram conta da profundidade da pergunta????? Todos já passamos por isso, em maior ou menor grau. Seja por decepções amorosas, seja por mágoas com amigos, parentes, pessoas que importam demais para nós e em quem colocamos expectativas.  

Primeira palavrinha para prestar atenção: Expectativa 
Expectativa : situação de quem espera a ocorrência de algo, ou sua probabilidade de ocorrência, em determinado momento.

Esperar algo sempre é roubada. Ainda mais quando se é criativa E sensível. A gente imagina a situação FUTURA com riqueza de detalhes e quando ela não acontece, ou não acontece como a gente espera....a probabilidade de haver uma contusão no coração é enorme.

Tá, tudo bem, a gente caiu na cilada. Se apaixonou. Se entregou. Confiou num amigo/amiga. Achou que o mundo ia nos responder do jeitinho que a gente responde para ele...e se ferrou. O amor sumiu, desapaixonou, fomos traídas, os amigos foram levar a vida deles e a gente ficou num cantinho. Coração gemendo de dor e mágoa. Partido.

Fazer o que? 

Reconhecer a dor em primeiro lugar. Acho que é nem luto. A gente reluta, custa a crer. Fica achando desculpa e se enganando que não aconteceu. E aconteceu. Ponto. Chore, grite, esperneie. Mas caia na real e reconheça que está sofrendo.

Li esses dias que para cada coisa ruim na vida, devemos ter três coisas boas. Pelo menos. Então mime-se. O mundo não te ama? Ame-se

Ninguém vai amar quem não se ama e não se respeita. Portanto se dê presentes, faça coisas que lhe façam bem só pelo prazer de fazer. Mas pense em coisas que não custem nada. Só um exercício. Uma que não vai fazer um rombo no orçamento e outra que vai fortalecer o SER e não apenas o TER.

Uma lição que eu aprendi na vida: não faça mudanças radicais nessas horas. Espere para faze-las quando tudo estiver mais calmo e seu coração mais inteiro. Vá com calma e respeite o seu tempo. 

Respeito. Outra palavrinha mágica. Mude o foco de ninguém me ama, ninguém me quer, por uma visão mais amena e amorosa sobre você. Liste as suas qualidades (sem exagero), mantenha a realidade de se saber gente e não ser perfeita. No que errou, lembre de não repetir e de aprender.

Torne-se uma pessoa que você gostaria de ter por perto. 

Sorria. Sorria para você. Sorria para o mundo.

Agradeça. E lembre de reconhecer os belos momentos que vive hoje. E se abasteça dos que já viveu.

Não fique incensando quem já se foi. Mesmo que ainda do teu lado. Dê a liberdade que cada um merece de sentir e fazer o que quiser. 

Se isso cura coração partido? Não sei. O meu, nas inúmeras vezes em que se partiu (mentira, foram bem menos que isso) se curou ao perceber que a vida continua, é bela e nada como um dia após o outro, percebendo que a gente sobrevive sim. E ainda vive outras situações bem melhores.

Boa sorte na costura.

Nenhum comentário:

Postar um comentário