quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Hora de ser artista

Tem vezes na vida que só sendo artista para levar adiante sem desmoronar.

Fim de ano tem essa característica para mim. Longe está o tempo em que eu curtia Natal. Essas coisas de árvores, enfeites, presentes. Gostava de fazer tudo direitinho, pensar na pessoa, bolar presentes criativos ou que pelo menos tivessem a ver com a pessoa. Até pode ser que eu não acertasse 100% dos casos. Mas a preparação, o cartão, o envolvimento me faziam feliz.

Fui deixando de lado. Natal, em algum momento, deixou de ser alegria para ser tensão. Crucial descobrir como é esse processo. Afinal, é quando a gente descurte algo que vem o cansaço e por fim a indiferença. E o oposto do prazer não é nada mais nada menos que a brochura. 

Por isso há que ser artista nessas horas. Não para representar uma cara de felicidade que inexiste. Não este tipo de atuação. Artista para se reinventar. Para descobrir onde a alegria. Onde o tesão. Onde a chama.

Já desencanei dessa coisa de estresse de fim de ano. Sei que o mundo não vai acabar, que em janeiro tenho um ano inteiro de novas possibilidades e que não, não preciso presentear ninguém que eu não queira. Ou mesmo que queira, não tenha vontade porque não é hora. Então meu estresse não é nem por aí. É mais uma espécie de catarse coletiva de sentir essa agitação na sociedade e me sentir tão fora disso.

Alheação. Apatia. Isso me abate um pouco. Ainda não consigo definir se estou exatamente sendo saudável em processo de luto e deixando-me vagar em um mar de solidão. Ou se estou sendo patológica elevando a enésima potência o meu próprio umbigo sem lutar para me reenquadrar. 

Terapia? Já fiz tanto. Tenho um razoável auto conhecimento. Não quero falar de mim para alguém que não ame. E não quero me entupir de drogas que me façam rir de algo que eu nem sei se tem graça. 

Acho que só quero ficar comigo. Então Santa Claus, Noel ou Nicolau, ou seja lá que nome você tenha: quero um presente que me surpreenda. Quero algo instigante que me faça suar, tremer, sair de dentro. Se vira, que já dei dica demais. Seja artista também. E mágico que é o seu papel nessa história toda.   

Nenhum comentário:

Postar um comentário